Médica diz que registro de doenças graves assusta Salgueiro

0
57

Blog do Nill Júnior

Nesta quinta-feira (6), a Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE), emitiu nota informando que foi notificada de 4 casos suspeitos de doença meningocócica provenientes da VII Gerência Regional de Saúde (Geres), com sede em Salgueiro, no Sertão pernambucano.

Na nota a SES-PE, informa ainda que, destes casos, 2 foram confirmados: um homem de 19 anos e uma mulher de 18 anos, ambos residentes em Salgueiro, que deram entrada no Hospital Regional Inácio de Sá (HRIS) no final de maio.

Na nota a Secretaria informa ainda que ao fechar a suspeita de diagnóstico para a doença, os dois pacientes foram transferidos para o Hospital Correia Picanço (HCP), no Recife, referência estadual para tratamento de pacientes com meningite (adulto e criança) e que os dois foram submetidos ao exame do líquido cefalorraquidiano (LCR), que confirmou o diagnóstico de doença meningocócica.

Ainda segundo a nota: “Os pacientes foram acompanhados pela equipe multiprofissional da unidade e já receberam alta hospitalar, em 29.05 e 03.06, respectivamente. A SES informa, ainda, que 1 caso foi descartado para doença meningocócica e o outro foi positivo para meningite pneumocócica (menino, 9 anos, que segue internado em observação em unidade hospitalar do Recife).”

Diante destes e outros casos de outras enfermidades que tem acometido a população de Salgueiro, a médica endocrinologista Patrícia Belfort publicou um texto no Facebook nessa quarta-feira (5), desabafando sobre a situação da área da saúde no município. Na publicação, a profissional do Pronto Socorro São Francisco fala dos desafios de enfrentar essas doenças e lembra que toda a sociedade tem uma parcela de culpa.

Confira o texto na íntegra:

O ano de 2019 tem sido muito difícil pra todos os profissionais da saúde pública e privada da nossa região. Atendemos diariamente nas emergências casos de doenças infecto contagiosas que variam de formas leves a formas graves. A dengue, a chicugunya, as meningites, o H1N1, a doença de Chagas, a leishmaniose voltaram a nos assombrar, mas agora de forma mais intensa e até assustadora. Só quem está dentro dos hospitais convive com a angústia de nem sempre ter bons resultados e também com a tristeza de verem muitos padecer por falta de mínima assistência de saúde.

Entre governos e população todos tem uma parcela de culpa, essas doenças apenas traduzem a pobreza de nosso povo, a falta de higiene, o calendário vacinal atrasado, a demora em procurar assistência e por vezes a assistência que não é dada de forma adequada. Tenho me sentido incapaz diante do que está acontecendo porque a solução não está só em minhas mãos.

Lembro dos filmes americanos que sempre saem sobre o fim dos tempos associado a pragas que dizimam a população como um vírus devastador. Não sei nem o alerta que posso dar diante de tantas doenças. Vamos orar bastante pra que isso seja só um período ruim.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here