Boletim aponta redução da transmissão do Sars-CoV-2

Por João Paulo Pereira em 24/10/2021 às 07:34:41
Foto: Wallisson Lima

Foto: Wallisson Lima

O Boletim do Observatório Covid-19 Fiocruz, divulgado na quinta-feira (21), aponta para a continuidade da redu√ß√£o da transmiss√£o do Sars-CoV-2, com queda do número de óbitos e de casos graves da pandemia.

Os dados s√£o referentes à Semana Epidemiológica (SE) 41, de 10 a 16 de outubro, que apresentou média di√°ria de 10.200 casos confirmados e 330 óbitos por Covid-19.

As taxas de ocupa√ß√£o de leitos de UTI Covid-19 para adultos no Sistema Único de Saúde (SUS) mant√™m-se em relativa estabilidade, com 25 estados e 23 capitais fora da zona de alerta, sendo a maioria com patamares inferiores a 50%.

As duas únicas Unidades da Federa√ß√£o na zona de alerta s√£o Espírito Santo, na zona de alerta intermedi√°rio, onde a taxa voltou a crescer de 65% para 71%; e o Distrito Federal, na zona de alerta crítico, onde a taxa caiu de 89% para 80%.

Na vis√£o dos pesquisadores do Observatório, respons√°veis pelo Boletim, o resultado mostra que a campanha de vacina√ß√£o est√° atingindo seu principal objetivo – o de minimizar o impacto da doen√ßa nos indivíduos e na coletividade, contribuindo para o seu controle.

No entanto, eles refor√ßam que a contínua tend√™ncia de redu√ß√£o dos principais indicadores, ao mesmo tempo em que ocorrem as oscila√ß√Ķes nos registros, ratifica a preocupa√ß√£o com a possibilidade de reveses, ainda que haja melhora consistente da pandemia.

Os cientistas chamam aten√ß√£o também para o fato de que a intensidade de circula√ß√£o de pessoas nas ruas se encontra no mesmo nível da fase pré-pand√™mica.

"A manuten√ß√£o do atual patamar de transmiss√£o n√£o permite afirmar que a pandemia est√° definitivamente controlada. A impress√£o de que j√° vencemos a pandemia é enganosa, sendo imperioso, nesse momento, continuar vigilante em rela√ß√£o à Covid-19. A flexibiliza√ß√£o de medidas que protegem contra a transmiss√£o do vírus deve ser adotada de forma cautelosa, paulatina e acompanhada de medidas de vigil√Ęncia, conjugadas com a ado√ß√£o do passaporte vacinal, além de testes para identificar rapidamente novos casos e seus contatos. Essas medidas s√£o estratégicas para a redu√ß√£o do risco de cont√°gios no retorno às atividades laborais, educacionais, sociais, culturais e de lazer em ambientes fechados", ressaltam.

A an√°lise observa que a redu√ß√£o dos níveis de isolamento, indicado pelo Índice de Perman√™ncia Domiciliar (IPD), e mesmo o aumento da positividade dos testes laboratoriais, sinalizam ainda cen√°rios de transmiss√£o do vírus.

Além disso, a taxa de letalidade da doen√ßa no Brasil (cerca de 3,2%) se mantém em valores considerados altos em rela√ß√£o aos padr√Ķes internacionais, "o que reflete a insufici√™ncia de programas de testagem e diagnóstico clínico de casos suspeitos e seus contatos".

Outra quest√£o sinalizada pelo Boletim é a queda abrupta do número de casos e, em menor propor√ß√£o, do número de óbitos.

De acordo com os pesquisadores do Observatório, esse declínio acentuado pode estar sendo influenciado por falhas no fluxo de dados pelo e-SUS e Sistema de Informa√ß√£o da Vigil√Ęncia Epidemiológica da Gripe (Sivep-Gripe), que v√™m sofrendo oscila√ß√Ķes na disponibiliza√ß√£o de registros.

"Esse fato pode se refletir na divulga√ß√£o de um número abaixo do esperado durante algumas semanas, seguido de um número excessivo de notifica√ß√Ķes, o que pode gerar interpreta√ß√Ķes equivocadas sobre as tend√™ncias locais da pandemia e a tomada de decis√Ķes baseadas em dados incompletos. Diante desse quadro, recomendam que a irregularidade do fluxo de notifica√ß√£o deva servir como alerta para a tomada de decis√Ķes".

Fonte: Blog do Nill J√ļnior

Comunicar erro

Coment√°rios