Justiça afasta oito policiais apĂłs morte de indĂ­gena no Sertão de PE

Por João Paulo Pereira em 08/08/2022 às 07:41:42

A Justiça de Pernambuco determinou o afastamento das atividades de rua dos oito policiais militares envolvidos na abordagem que terminou com a morte do indígena da etnia Atikum, Edvaldo Manoel de Souza, de 61 anos, no último dia 15 de junho, em Carnaubeira da Penha, no Sertão de Pernambuco.

Populares e a Articulação dos Povos e Organizações Indígenas do Nordeste, Minas Gerais e Espírito Santo (Apoinme) denunciaram que o indígena foi abordado por policiais militares em frente à casa onde morava, na Aldeia Olho D"Água do Padre, e agredido com um tapa no tórax pelos policiais após negar ter arma de fogo na residĂȘncia. Após a agressão, o indígena teria passado mal e sido socorrido à uma unidade de saúde, mas faleceu.

ResponsĂĄvel pela investigação dos fatos, o delegado Daniel Angeli confirmou o afastamento dos PMs envolvidos à reportagem do JC Online. "Desde o início, ouvimos diversas testemunhas da Aldeia e do hospital onde ele deu entrada. Os oito PMs também foram ouvidos. Decidimos pelo afastamento dos policiais. O pedido foi feito à Justiça, que determinou que eles ficassem aquartelados", explicou.

Segundo o delegado, o caso ainda é tratado como "morte a esclarecer", uma vez que os primeiros exames do Instituto de Medicina Legal (IML) apresentaram a causa da morte do indígena como "inconclusiva". "A médica legista apontou que a morte pode ter sido oriunda de diversos fatores. Pode ter sido um infarto ou doença respiratória, por exemplo. Ele tinha uma lesão, mas ela descartou a violĂȘncia como causa da morte", disse Daniel Angeli, que jĂĄ solicitou exames complementares.

A investigação: Na próxima quinta-feira (11), serĂĄ realizada uma reprodução simulada – com a participação dos oito policiais militares – para tirar as últimas dúvidas sobre a abordagem policial e posterior morte do indígena.

No boletim de ocorrĂȘncia (BO) registrado pelos policiais militares na Delegacia de Carnaubeira da Penha, é relatado que a PM realizava uma operação para coibir disparos de arma de fogo e caça predatória de animais na zona rural. Segundo o BO, Edvaldo foi abordado e disse não ter conhecimento de disparos. Ele teria dito ainda que "existiam pessoas ruins na localidade", que teriam ateado fogo em seu cercado hĂĄ algum tempo.

Fonte: Blog do Nill JĂșnior

Comunicar erro

ComentĂĄrios