Var√≠ola dos macacos: calend√°rio de vacinação deve sair nesta semana

Prioridade ser√° para profissionais de sa√ļde que lidam com a doença

Por João Paulo Pereira em 16/08/2022 às 08:02:45
Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

O Ministério da Sa√ļde (MS) dever√° saber nesta semana quando ter√° as primeiras vacinas dispon√≠veis contra a var√≠ola dos macacos.

Segundo a representante da Organização Pan-Americana de Sa√ļde (Opas) no Brasil, Socorro Gross, a fase de tratativas com o laboratório produtor da vacina terminaram, mas falta uma posição do laboratório sobre o calend√°rio de entrega.

"Esperamos ter o calend√°rio das vacinas nesta semana", disse ela. "Não temos como apresentar um calend√°rio [de entrega de vacina] neste momento. Sabemos que uma parte das vacinas vai chegar em breve. Esperamos que o fornecedor nos especifique quando nós poderemos transportar a vacina para o Brasil", disse ela, em coletiva de imprensa, no Ministério da Sa√ļde.

A aquisição dessas vacinas deve ser feita através da Opas, uma vez que o laboratório respons√°vel por elas fica na Dinamarca e não tem representante no Brasil. Assim, o laboratório não pode solicitar o registro do imunizante junto à Ag√™ncia Nacional de Vigil√Ęncia Sanit√°ria (Anvisa) e caso o pa√≠s queira compr√°-lo, a OPAS deve intermediar a transação.

Socorro Gross estava acompanhada do ministro da Sa√ļde, Marcelo Queiroga, e de secret√°rios da pasta. Queiroga esclareceu que as 50 mil doses solicitadas pelo Brasil, caso cheguem, irão para profissionais de sa√ļde que lidam com materiais contaminados.

"Se essas 50 mil doses chegarem aqui no ministério amanhã, não terão o condão de mudar a história natural da situação epidemiológica em relação à var√≠ola dos macacos. Essas vacinas, quando vierem, serão para vacinar um p√ļblico muito espec√≠fico".

Queiroga também não considera, até o momento, declarar Emerg√™ncia em Sa√ļde P√ļblica de Import√Ęncia Nacional (Espin) por causa da doença. Segundo ele, a √°rea técnica do ministério não se manifestou nesse sentido.

Além disso, de acordo com Queiroga, mecanismos de vigil√Ęncia em sa√ļde j√° foram reforçados; pedidos de registros de testes r√°pidos j√° foram feitos junto à Ag√™ncia Nacional de Vigil√Ęncia Sanit√°ria (Anvisa); e outras provid√™ncias podem ser tomadas fora do √Ęmbito da Espin, caso seja necess√°rio.

Até o momento, Estados Unidos e Austr√°lia j√° declararam emerg√™ncia em seus territórios.

Dados

Na coletiva de imprensa, o Ministério da Sa√ļde também divulgou dados atualizados sobre a doença. No mundo inteiro foram registrados 35.621 casos em 92 pa√≠ses.

Os pa√≠ses com mais casos são Estados Unidos (11,1 mil), Espanha (5,7 mil), Alemanha (3,1 mil), Reino Unido (3 mil), Brasil (2,8 mil), França (2,6 mil), Canad√° (1 mil), Holanda (1 mil), Portugal (770) e Peru (654).

Até o momento, 13 mortes foram registradas, em oito pa√≠ses. São eles: Nigéria (4), Rep√ļblica Centro-Africana (2), Espanha (2), Gana (1), Brasil (1), Equador (1), √ćndia (1) e Peru (1).

No Brasil, foram confirmados até o momento 2.893 casos. Além disso, existem 3.555 casos suspeitos de var√≠ola dos macacos, com uma morte.

Entre os contaminados, 95% são homens e a maioria est√° na faixa dos 30 anos de idade. Apesar de ser uma doença que acomete, em sua maioria, homens que fazem sexo com homens, o ministro faz um alerta para não se estigmatizar a doença a esse grupo espec√≠fico ou mesmo discrimin√°-lo.

"Essas refer√™ncias feitas aqui a homens que fazem sexo com homens é uma constatação tão somente epidemiológica. Não podemos incorrer nos erros do passado. Nós j√° sabemos o que aconteceu na década de 80 com HIV/Aids. Não é para discriminar as pessoas, é para proteg√™-las".

Queiroga também afirmou que apesar do nome, a doença não é transmitida pelos macacos e fez um apelo para a não agressão desses animais, por medo da doença.

"A var√≠ola dos macacos é uma zoonose e o roedor é a prov√°vel origem da zoonose. Não é o macaco. O macaco é tão v√≠tima da doença quanto nós, que também somos primatas. Portanto, não saiam por a√≠ matando os macacos achando que vão resolver o problema da var√≠ola dos macacos".

Fonte: Marcelo Brandão - Ag√™ncia Brasil

Comunicar erro

Coment√°rios