Anvisa autoriza por unanimidade uso emergencial das vacinas Coronovac e de Oxford contra a Covid-19

Por Filipe Matoso e La√≠s Lis, G1 A Ag√™ncia Nacional de Vigil√Ęncia Sanit√°ria (Anvisa) autorizou neste domingo (17), por unanimidade, o uso emergencial das vacinas Coronavac

Por João Paulo Pereira em 17/01/2021 às 15:51:13

Por Filipe Matoso e Laís Lis, G1

A Ag√™ncia Nacional de Vigil√Ęncia Sanit√°ria (Anvisa) autorizou neste domingo (17), por unanimidade, o uso emergencial das vacinas Coronavac e da Universidade de Oxford contra a Covid-19. A reunião que discutiu o tema durou cerca de 5 horas.

Os diretores acompanharam o voto de Meiruze Freitas, relatora dos pedidos. No caso da Coronavac, a diretora condicionou a aprovação à assinatura de termo de compromisso e publicação em "Di√°rio Oficial".

Segundo a Anvisa, somente o termo de compromisso assinado pelo Instituto Butantan precisa ser publicado no "Di√°rio Oficial da União", o que pode acontecer ainda neste domingo (17) em edição extra. De acordo com a ag√™ncia, o termo j√° est√° pronto e ser√° enviado ao instituto para ser assinado e publicado assim que assinado.

O termo de compromisso prevendo o envio, até o dia 28 de fevereiro, dos resultados sobre a imunogenicidade da CoronaVac foi uma das exigências da relatora do processo para o uso emergencial. A imunogenicidade é a capacidade que uma vacina tem de estimular o sistema imunológico a produzir anticorpos.

Ao proclamar o resultado, o diretor-presidente da Anvisa, Ant√īnio Barra Torres, afirmou:

"A imunidade com a vacinação leva algum tempo para se estabelecer. Portanto, mesmo vacinado, use m√°scara, mantenha o distanciamento social e higienize suas mãos. Essas vacinas estão certificadas pela Anvisa, foram analisadas por n√≥s brasileiros por um tempo, o melhor e menor tempo poss√≠vel. Confie na Anvisa, confie nas vacinas que a Anvisa certificar e quando ela estiver ao seu alcance v√° e se vacine."

Durante a reunião, a relatora Meiruze Freitas declarou:

"Quanto à vacina Coronavac, desenvolvida pelo instituto Butantan, voto pela aprovação tempor√°ria do seu uso emergencial condicionada a termo de compromisso e subsequente publicação de seu extrato no DOU. Quanto à vacina solicitada pela Fiocruz, voto pela aprovação tempor√°ria de seu uso emergencial referente a 2 milhões de doses", votou a relatora.

"Guiada pela ci√™ncia e pelos dados, a equipe concluiu que os benef√≠cios conhecidos e potenciais dessas vacinas superam seus riscos. Os servidores v√™m trabalhando com dedicação integral e senso de urg√™ncia", acrescentou Meiruze Freitas.

Segundo Leonardo Filho, estatístico da Anvisa, a eficácia da Coronavac é de 50,4%, em percentual arredondado. Segundo o gerente de Medicamentos, Gustavo Mendes, a eficácia da vacina de Oxford é de 70,42%.

Durante apresentação dos dados, Gustavo Mendes informou ainda que a √°rea t√©cnica da Anvisa recomendou a aprovação do uso emergencial das duas vacinas, "condicionada ao monitoramento das incertezas e reavaliação peri√≥dica". Mendes tamb√©m ressaltou que h√° aumento no n√ļmero de casos e aus√™ncia de alternativas terap√™uticas.

O pedido sobre a Coronavac foi apresentado em 8 de janeiro pelo Instituto Butantan e √© referente a 6 milhões de doses importadas, produzidas pela farmac√™utica chinesa Sinovac. O Butantan tamb√©m desenvolve a vacina no Brasil.

O pedido sobre a vacina de Oxford foi apresentado em 8 de janeiro pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e √© referente a 2 milhões de doses importadas do laborat√≥rio Serum, da √ćndia, que produz a a vacina desenvolvida pela universidade do Reino Unido e pelo laborat√≥rio AstraZeneca. A Fiocruz tamb√©m desenvolve a vacina no Brasil.

Comunicar erro

Coment√°rios