Corrida por vacina para Covid-19 se acelera

Por: AFP Com mais de 100 projetos iniciados e uma d√ļzia de ensaios cl√≠nicos, o mundo espera ter uma vacina eficaz contra a Covid-19 dentro de alguns meses, uma doença que...

Por João Paulo Pereira em 13/05/2020 às 14:42:57
Por: AFPCom mais de 100 projetos iniciados e uma d√ļzia de ensaios cl√≠nicos, o mundo espera ter uma vacina eficaz contra a Covid-19 dentro de alguns meses, uma doença que desencadeou pesquisas maciças em tempo recorde. Estes são os dados e os desafios mais recentes relacionados à fabricação de vacinas contra o coronav√≠rus SARS-Cov-2, respons√°vel pela pandemia que j√° matou quase 300.000 pessoas."Um imperativo global""O r√°pido desenvolvimento de uma vacina para prevenir a Covid-19 √© um imperativo global". Como outros especialistas, o americano Barney S. Graham, do Centro de Pesquisa de Vacinas (Institutos Nacionais de Sa√ļde dos Estados Unidos, NIH) considera crucial a batalha das vacinas na guerra travada pelo planeta contra o novo coronav√≠rus. Autoridades internacionais como o secret√°rio-geral da ONU, Ant√≥nio Guterres, tamb√©m estão convencidos disso: uma vacina segura e eficaz seria "a √ļnica ferramenta que permitiria um retorno a uma normalidade". A vacina "salvaria milhões de vidas" e "bilhões de d√≥lares", enfatizou em abril.Mais de 100 projetos em andamentoDado o interesse global, tanto no n√≠vel da sa√ļde quanto da economia, o n√ļmero de projetos continua a aumentar. A Organização Mundial da Sa√ļde (OMS) havia registrado no final de abril 76, cinco dos quais na fase de ensaios cl√≠nicos. Agora, contabiliza 110, oito deles na fase de ensaios cl√≠nicos (em 11 de maio). A London School of Hygiene & Tropical Medicine informou que pelo menos 157 projetos de vacinas anti-COVID estão sendo realizados, 11 dos quais estão na fase de ensaios cl√≠nicos.Diferentes abordagensA OMS classificou os 100 projetos em andamento em oito categorias diferentes, correspondentes aos tipos de vacinas testadas, ou experimentais. Trata-se de vacinas cl√°ssicas do tipo "vivas atenuadas", ou "inativas", vacinas chamadas de "subunidades" baseadas em prote√≠nas (com um ant√≠geno para o sistema imunol√≥gico, sem part√≠culas virais). Tamb√©m foram iniciados projetos de vacinas do tipo "vetor viral", utilizando t√©cnicas de ponta para fabricar v√≠rus cujo √ļnico objetivo √© provocar uma reação imune em humanos; e outros de vacinas de "DNA", ou "RNA", que são produtos experimentais que usam fragmentos de material gen√©tico modificado.Fracasso tamb√©m √© uma opçãoA exploração de v√°rias pistas aumenta as chances de sucesso. "O fato de existirem muitos tipos diferentes de vacinas incentiva a esperança de encontrar algo que funcione", comentou a virologista francesa Marie-Paule Kieny. Mas "o caminho para uma vacina eficaz √© tortuoso, e apenas algumas podem ser bem-sucedidas", considerou a pesquisadora brit√Ęnica Sarah Caddy, da Wellcome Trust Foundation e da Universidade de Cambridge. Est√° descartada a possibilidade de uma vacina eficaz? "Na pesquisa, nada √© descartado", respondeu o diretor cient√≠fico do Instituto Pasteur, Christophe d'Enfer, citando o exemplo do HIV. "Mais de 30 anos ap√≥s sua descoberta, nenhuma vacina foi encontrada" para a aids, enfatizou no final de abril.Aceleração sem precedentesNesse contexto, o an√ļncio da Sinovac Biotech, um dos quatro laborat√≥rios chineses autorizados a conduzir ensaios cl√≠nicos, de que estava preparado para produzir 100 milhões de doses de vacina por ano sob o nome comercial "Coronavac" pode parecer um pouco apressado, uma vez que ainda não h√° comprovação de efic√°cia, ou segurança. Mas este laborat√≥rio não foi o √ļnico a acelerar o ritmo: o americano Pfizer j√° indicou que deseja produzir de 10 milhões a 20 milhões de doses de uma vacina experimental at√© o final do ano. Na França, o Instituto Pasteur começar√° os ensaios cl√≠nicos de seu mais avançado projeto em julho e espera obter os primeiros resultados em outubro, segundo a coordenadora Christiane Gerke. "Em geral, o desenvolvimento de uma vacina dura dezenas de anos", comentou Barney S. Graham. "Ter vacinas aprovadas e dispon√≠veis para distribuição em larga escala, at√© o final de 2020, ou at√© 2021, seria algo nunca visto antes", acrescentou.Distribuição igualit√°ria?Se resultados positivos forem obtidos rapidamente para as primeiras vacinas, a questão que surgir√° imediatamente ser√° sobre seu uso e disponibilidade. "A grande questão √© saber como essas vacinas serão usadas. Todo mundo teme que elas sejam apropriadas por pa√≠ses que colocaram em marcha capacidades de produção em seu territ√≥rio", disse Marie-Paule Kieny à r√°dio France Info. No final de abril, a OMS organizou uma reunião internacional para garantir uma "distribuição equitativa de vacinas". Os chefes de Estado europeus participaram da teleconfer√™ncia, mas nem os Estados Unidos nem a China estavam representados.
Comunicar erro

Coment√°rios